Azos lança nova versão do seguro para doenças graves e passa a cobrir 10 enfermidades

Com cobertura de até R$ 500 mil, insurtech amplia cobertura para cânceres leves, moderados e graves

A insurtech Azos acaba de lançar uma nova versão do seguro para doenças graves, o DG10, que amplia a cobertura de cinco para dez enfermidades e reduz o período de carência. O produto pode ser adquirido por pessoas de até 65 anos com apólices a partir de R$5 e de forma independente, ou seja, não está atrelado à contratação de um seguro de vida em paralelo. 

Com o objetivo de democratizar cada vez mais o acesso aos produtos de seguro no país, a empresa chega a um novo perfil de público: pessoas que não têm dependentes financeiros, mas que se preocupam com sua saúde e autonomia financeira. “Desde o início da operação, sempre estivemos focados em criar soluções que entregam o melhor para o cliente. Ouvimos alguns segurados e corretores parceiros e repensamos o produto DG de forma que a gente garanta ao segurado uma importante proteção financeira em caso de diferentes doenças graves, sem perder de vista nossa missão de democratizar o seguro pessoal”, afirma André Calazans, Diretor de Seguros da Azos. 

O DG10 passa a cobrir infarto agudo do miocárdio, AVC, paralisia de membros, perda de visão, Alzheimer, Parkinson, esclerose múltipla, osteomielite, embolia pulmonar e três níveis de câncer. No caso de câncer, a cobertura varia conforme o grau da doença. Se for leve, a empresa paga 30%, em situações moderadas, 50%, e nas ocorrências graves, 100%. O valor da cobertura é de até R$ 500 mil. 

Mesmo com a ampliação das coberturas, a nova versão do seguro de doenças graves permite a contratação, sem necessidade de exames médicos, por pessoas com algumas doenças preexistentes, como diabetes, hipertensão e ansiedade. Além disso, teve o período de carência reduzido de 90 para 60 dias e não possui mais a cláusula referente ao período de sobrevivência de 30 dias, quando o beneficiário teria direito à solicitação de benefício somente após esse prazo. Ou seja, o cliente poderá abrir o chamado imediatamente após o diagnóstico da doença. 

“Esse lançamento vem alinhado com uma tendência de mercado em que o seguro para doenças graves está deixando de ser um complemento do seguro de vida tradicional e está ganhando mais relevância a cada dia. Trabalhamos muito para desburocratizar essa cobertura e os resultados iniciais estão bem animadores”, conta Calazans.

Quer uma dica?

A segunda turma do curso de Insurtech e Inovação em Seguros em 8 aulas vai começar no dia 16 de agosto. Saiba mais clicando aqui ou acessando https://cursos.insurtechbrasil.com

ARTIGOS SIMILARES

Advertisment

POPULARES