Como a tecnologia está se tornando uma ferramenta viável no processamento de sinistros de seguros

Atualmente, uma média de 61 % dos consumidores prefere ferramentas digitais para monitorar o status de seus aplicativos. Além disso, como os millennials e os urbanos geralmente exigem menos interação física e preferem consumir serviços digitais quando possível em qualquer setor, é plausível que, com o tempo, para uma maior digitalização do processamento de sinistros, haja um aumento na demanda. Por exemplo, os millennials e pós-millennials serão quase metade da população adulta até 2030. Com relação a isso, a McKinsey prevê que mais de 50% do processamento de sinistros será automatizado até o ano de 2030.

O processo de sinistros de seguros, ao contrário do que se acreditava nos últimos anos em relação à integração de tecnologia de ponta e adaptação ao ritmo acelerado das mudanças tecnológicas, agora evoluiu. Hoje, para melhor atender às necessidades em constante mudança dos clientes em um mundo cada vez mais centrado na tecnologia, é preciso aprimorar suas capacidades de prestação de serviços. Isso leva a organização a se tornar uma organização mais ágil que pode se adaptar rapidamente às constantes mudanças e incertezas.

Utilizando o potencial da tecnologia para agilizar a liquidação de sinistros

O processo de sinistros de seguros foi agraciado com uma série de tecnologias disruptivas. Algumas dessas tecnologias são inteligência artificial, Blockchain, aprendizado de máquina e automação de processos robóticos. Com grandes expectativas, esses nativos digitais esperam uma experiência digital perfeita, integrada e em toda a cadeia de valor de uma marca, o que leva as marcas de seguros a abraçar a disrupção. É difícil discernir padrões específicos nos dados de reivindicações que exigem um exame mais detalhado por humanos. Em contraste, a inteligência artificial pode identificar padrões de sinistros específicos aleatoriamente ou em escala em minutos com alguma programação hábil. Além disso, todas essas melhorias podem ser alcançadas sem aumentar muito as despesas operacionais ou exigir tempo excessivo.

RPA: desde o primeiro aviso de perda (FNOL) até o ajuste e a liquidação, os bots de RPA podem automatizar todo o processo de sinistros. Para automatizar os processos transacionais e mapear as distribuições de sinistros, os avaliadores de sinistros exigem o uso da tecnologia RPA. Como ele automatiza muitas áreas de processamento de reclamações, como contabilidade, conformidade fiscal e regulatória, liquidação de dívidas, avaliação e análise de risco de crédito e tarefas administrativas.

IA: IA e aprendizado de máquina podem ser usados ​​para detectar fraudes com facilidade e direcionar clientes em potencial. Além disso, permite estudar o comportamento de clientes em potencial e fornecer insights sobre possíveis tendências futuras. Por exemplo, eles podem analisar imagens, sensores e dados históricos e podem então verificar os resultados da IA ​​e liquidar reclamações com base neles.

Big Data: Grandes quantidades de dados dificultam a triagem e a classificação das informações durante o processamento de sinistros. Se todos os dados não forem considerados, eles podem não tomar a melhor decisão. Se as seguradoras têm menos tempo, como podem lidar com grandes volumes de sinistros? Nesse caso, o Big Data Analytics ajuda os avaliadores de sinistros a sinalizar os sinistros que precisam de mais investigação. Não é apenas para as seguradoras que buscam reduzir a fraude que o big data é útil, ele auxilia a sociedade como um todo, garantindo que eles recebam acordos de sinistros precisos.

As tecnologias cognitivas podem desempenhar um papel crítico na melhoria da eficiência dos processos, onde facilidade, velocidade, conveniência de serviço e preço são os principais diferenciais competitivos. Os avaliadores de sinistros profissionais usam tecnologia cognitiva para acessar, identificar e extrair as informações relevantes em documentos, formulários, aplicativos e políticas para determinar e finalizar a liquidação de sinistros.

De acordo com um relatório da McKinsey, a automação pode aumentar a satisfação do cliente em 15%, melhorar a precisão em 4% e reduzir os custos da jornada de sinistros em 30%. Portanto, as insurtechs precisam criar uma mensagem clara e consistente que demonstre sua vontade de se adaptar e evoluir com novas disrupções tecnológicas, pois somente essa abordagem as posicionará como pioneiras na nova era do seguro.

Quer uma dica?

A segunda turma do curso de Insurtech e Inovação em Seguros em 8 aulas vai começar no dia 16 de agosto. Saiba mais clicando aqui ou acessando https://cursos.insurtechbrasil.com

ARTIGOS SIMILARES

Advertisment

POPULARES