O que aconteceu com a revolução insurtech?

Empresas de alta tecnologia, como a Lemonade, com sede em Israel, invadiram Wall Street prometendo reinventar o sólido setor de seguros, mas os preços de suas ações em queda livre contam uma história de decepção.

As ações de tecnologia em geral caíram substancialmente em Wall Street no ano passado, mas para as ações de insurtech, o declínio foi um banho de sangue. Lemonade, o exemplo israelense mais conhecido, caiu nada menos que 78% no ano passado, para um valor de mercado atual de US$ 2,3 bilhões, menor do que no final de seu primeiro dia de negociação em julho de 2020.

A Hippo, fundada por empresários israelenses na Califórnia, também caiu 77% desde que entrou na Bolsa de Valores de Nova York por meio de uma fusão SPAC no ano passado. Seu valor de mercado atual é de US$ 1,5 bilhão, comparado aos US$ 5 bilhões na época da fusão.

Mas os empresários israelenses não estão sozinhos em seus problemas. A empresa de insurtech norte-americana Root, especializada em seguros de automóveis e que abriu seu capital em 2020, perdeu 88% em um ano. A Metromile, outra seguradora de automóveis americana que abriu seu capital por meio de uma fusão SPAC há um ano, perdeu 87% e em novembro foi adquirida pela Lemonade.

A Oscar Heath (fundada por Joshua Kushner, irmão de Jared Kushner, genro do presidente dos EUA, Donald Trump), quer mudar o setor de seguros de saúde dos EUA, mas desde seu IPO em março passado, o preço das ações caiu 79%. Gil Arazi, cofundador do fundo de investimento em fintech e insurtech FinTLV Venture Capital, resume melhor: “No momento, provavelmente não há muitos executivos de empresas de insurtech no mundo dormindo bem à noite”.

O setor de seguros aguarda disrupção

Realmente não era para acontecer dessa maneira. Em um mundo acostumado a histórias sobre startups que desestabilizaram setores inteiros com sucesso, como a Amazon fez com shoppings (e alguns outros setores) e Netflix com empresas de TV a cabo (e locadoras de vídeo antes disso), o setor de seguros parecia maduro para a disrupção.

A indústria de seguros é enorme, com US$ 700 bilhões por ano em prêmios somente nos Estados Unidos. Mesmo um foco específico no setor de seguros de automóveis dos EUA tem carne suficiente para afundar seus dentes, com US$ 260 bilhões em prêmios anuais.

E, no entanto, o setor de seguros é dominado por empresas muito antigas e desatualizadas, fundadas décadas atrás. A State Farm, por exemplo, a maior seguradora dos EUA, foi criada há quase 100 anos. Com seus sistemas de computador antiquados e difíceis de atualizar, pessoal supérfluo e métodos de trabalho desatualizados, o seguro parecia o setor definitivo pronto para a mudança. “Em relação ao seu tamanho e valor, o setor de seguros ainda não foi significativamente afetado pela tecnologia”, diz Itay Rand, sócio do fundo de investimento 10D, que investe em insurtech.

Entram Lemonade, Hippo, Root e Oscar Health, prometendo revolucionar os seguros, auxiliados por tecnologia moderna e um modelo de negócios atualizado. A tecnologia deveria ajudá-los a recrutar clientes de forma barata e rápida, e tomar melhores decisões sobre quais clientes segurar e como precificar corretamente as políticas.

A Lemonade foi criada em 2015 para ser uma seguradora totalmente digital, sem agentes ou canais de distribuição físicos, um conceito então em sua infância. Os clientes da Lemonade podem comprar uma apólice de seguro em minutos interagindo com um bot chamado Maya. Os preços são baseados em inteligência artificial e aprendizado de máquina, e pelo menos um terço das reclamações dos clientes são tratadas automaticamente, sem contato humano.

Auxiliada por especialistas comportamentais como o Prof. Dan Ariely, a Lemonade formulou um mecanismo através do qual aloca 25% da receita dos prêmios pagos pelos segurados para as operações diárias da empresa e o restante para pagamentos de sinistros. Qualquer sobra de dinheiro que não tenha sido pago em sinistros, é doado para a organização sem fins lucrativos de escolha do segurado, reduzindo assim a motivação para fraudar a empresa, pelo menos em teoria.

Assim como o Lemonade, o Oscar Health é baseado em um aplicativo sofisticado que promete centralizar todas as necessidades de saúde do segurado em um só lugar, incluindo agendamento de consultas com especialistas médicos e consultas remotas com médicos. Ele ainda rastreia os padrões diários de caminhada do segurado, com a possibilidade de ganhar até US $ 100 por ano se as metas de etapas forem cumpridas.

Tanto a Root quanto a Metromile enfatizam que o preço de suas apólices de seguro de carro é baseado no comportamento real do motorista. O Root, por exemplo, monitora os telefones celulares dos novos clientes por 2 a 4 semanas antes de definir o preço da apólice. Os motoristas que viajam menos provavelmente estarão envolvidos em menos acidentes rodoviários e, portanto, podem receber uma apólice mais barata. A Hippo, por sua vez, fornece aos segurados do proprietário detectores de fumaça e sensores de vazamento de água. Isso ajuda o proprietário, mas no final do dia, também deve reduzir os pagamentos de danos à propriedade do Hippo.

Tudo parece ótimo no papel, mas até agora não ajudou as empresas de insurtech a capturar uma parcela significativa de seus nichos de mercado. Embora a Lemonade represente cerca de 5% do mercado de seguros de locatários residenciais nos EUA, esse é um mercado relativamente pequeno, com apenas US$ 4 bilhões em prêmios anuais.

Além da decepcionante participação de mercado conquistada até agora, as empresas de insurtech precisam se preocupar com o fato de os investidores não acreditarem mais em sua capacidade de atrapalhar essa indústria gigante e se tornarem gigantes no valor de dezenas de bilhões, como sonhavam em fazer. Seu baixo valor de mercado atual diz tudo.

A saída foi importante na construção da empresa

Em grande medida, as empresas têm culpa apenas de si mesmas pela situação atual. Empresas disruptivas como Uber no setor de viagens ou Airbnb no turismo esperaram 10 e 12 anos, respectivamente, antes de abrir o capital. Na arena insurtech, por outro lado, a Lemonade abriu seu capital depois de apenas cinco anos e a Hippo aos seis. Ambos aproveitaram o período da pandemia de Covid-19 em que o mercado estava aquecido, antes de esfriar. Hippo e Metromile entraram no mercado de ações por meio de fusões SPAC, o que não foi útil para eles.

Um empresário familiarizado com o setor afirma que o desejo de saída foi o que derrubou as empresas. “Houve uma espécie de correria louca por uma oferta pública. A sensação é de que, para algumas das empresas, era mais importante fazer uma saída do que construir uma empresa para o longo prazo.

“Todas as empresas de insurtech abriram o capital antes que pudessem prever seu crescimento suficientemente bem, e isso é realmente suicida. Você tem que saber com um alto grau de certeza quais serão seus lucros e lucros pelo menos três trimestres à frente, sem revisar ou perder previsões Caso contrário, você corre o risco de entrar em parafuso no mercado de capitais.”

O começo para algumas das empresas, como a Lemonade, foi realmente muito promissor, quando o valor de mercado da empresa israelense subiu para cerca de US$ 10 bilhões. Naquela época, as avaliações das empresas de insurtech eram determinadas por multiplicadores generosos, principalmente de receita, mais parecidos com os concedidos no setor de software superlucrativo do que no setor de seguros.

O salto foi baseado em muito hype, influenciado pela pandemia, e também em números muito fortes de crescimento de receita apresentados pelas empresas. A base de clientes da Lemonade, por exemplo, cresceu a uma taxa furiosa de 294% em 2018 e outros 108% em 2019.

Mas após esse período de rápido crescimento, talvez naturalmente, a taxa de crescimento da base de clientes da Lemonade desacelerou para 55% em 2020 e deve ser de 44% no próximo ano. À medida que os números de primeira linha deixaram de ser impressionantes, os investidores começaram a olhar mais para os itens intermediários relacionados à eficiência, onde a tecnologia deveria ter um impacto.

Quando a tecnologia promissora se torna uma desvantagem

Mas, até agora, as tecnologias não se provaram, pelo menos não de uma forma que possa ser quantificada claramente em números. Esse foi exatamente o ponto levantado em um estudo do banco de investimentos Jefferies, publicado em novembro passado. O estudo aborda, por exemplo, a tecnologia de monitoramento de drivers da Root. Essa tecnologia deveria fornecer à Root uma vantagem competitiva no processo de subscrição, onde a seguradora decide quem (ou não) segurar e, claro, a que preço.

Na prática, a sinistralidade da Root, [a relação entre as despesas da seguradora com sinistros e os prêmios pagos pelos segurados], é realmente superior à média do setor, indicando menor eficiência do seguro. No terceiro trimestre de 2021, o índice médio de sinistralidade no seguro de automóveis para empresas norte-americanas foi de 72,1%. Na Root, foi de 91,3% no terceiro trimestre, o que significa que, para cada US$ 100 cobrados em prêmios, a Root pagou US$ 91 em sinistros aos segurados, em comparação com US$ 72 no setor como um todo.

Jefferies também relatou um problema geral com o uso de inteligência artificial (IA) da Lemonade no processo de subscrição. “A empresa [Lemonade – OD] frequentemente aponta os benefícios de sua inteligência artificial sobre as seguradoras tradicionais. Novamente, não acreditamos que as informações disponíveis para investidores públicos possam provar ou refutar isso. A vantagem da IA ​​da Lemonade se reflete em uma taxa de frequência de sinistros mais baixa”, afirma.

Mesmo que as novas empresas de insurtech tenham uma vantagem tecnológica, ela é insignificante em relação à sua desvantagem muito mais significativa – seu tamanho limitado. Hippo, por exemplo, sofre de um índice de sinistralidade particularmente alto, que saltou para 161% no segundo trimestre do ano passado. O motivo foi uma grande concentração de segurados Hippo no Texas que sofreram com condições climáticas extremas, resultando em uma enorme quantidade de reivindicações de danos materiais.

Para as grandes seguradoras, com segurados distribuídos pelos Estados Unidos, o efeito sobre a sinistralidade foi bem menor. E quando se trata de tais condições de tempestade, discutir os benefícios da instalação de sensores em casa é inútil.

Sob certas condições, a tecnologia também pode ser uma desvantagem para o setor de seguros. Por exemplo, a aquisição de clientes por meio de canais digitais é, por natureza, mais atraente para novos motoristas jovens, mas esses motoristas também são mais propensos a sofrer acidentes e a registrar reclamações de seguro.

Como resultado, a Root abandonou sua dependência exclusiva de canais digitais e agora está tentando expandir para canais adicionais de aquisição de clientes. A Lemonade, que entrou no mercado de seguros de automóveis este ano, mantém devotamente sua adesão apenas ao digital.

O impulso ainda pode mudar

É muito cedo, é claro, para elogiar as empresas de insurtech, com exceção da Metromile, que já foi adquirida em uma transação de ações de US$ 500 milhões pela Lemonade. A inteligência artificial e o aprendizado de máquina são uma função do tamanho do banco de dados disponível para análise e, portanto, à medida que as empresas crescem, devem melhorar significativamente. Isso está subjacente à aquisição da Metromile pela Lemonade, que acumulou mais de uma década de dados sobre 400 milhões de viagens de motoristas, monitoradas por um dispositivo especial colocado no veículo do segurado. Essas informações devem ajudar a Lemonade a calibrar seu algoritmo de subscrição de seguro de carro.

Nos últimos meses, a Hippo adicionou vários executivos de seguros experientes de gigantes como AIG e Chubb, para ajudar a empresa a melhorar seu processo de subscrição. Além disso, a Hippo anunciou que adicionou mais cinco fontes de dados ao seu processo de subscrição no terceiro trimestre do ano passado e, a partir do quarto trimestre, adicionou 50 novas variáveis ​​de peso à sua análise de clientes.

No final de setembro, a Hippo recebeu respeitáveis ​​US$ 850 milhões em dinheiro, o que significa que tem um espaço significativo para melhorar seus modelos e tentar avançar em direção à lucratividade, algo que nenhuma das empresas de insurtech ainda conseguiu.

“O mercado de capitais despejou todas as empresas juntas”, diz Arazi, “mas em algum momento o ímpeto vai mudar, e algumas empresas, nem todas, vão voltar a subir. Quem consegue manter um crescimento exponencial, tem um bom negócio modelo e saber como ser lucrativo – eles subirão drasticamente. As empresas que não o fizerem serão adquiridas e se tornarão as divisões digitais das companhias de seguros veteranas.”

Há outra possibilidade também. Pode ser que as empresas de insurtech de hoje sejam a primeira geração de tentativas de revolucionar o setor de seguros, abrindo caminho para sucessores que terão sucesso onde falharam. A próxima geração de insurtech pode ter sucesso em capturar uma participação de mercado maior por meio de uma mudança mais significativa na atual cadeia de valor do setor.

No mercado privado, algumas startups de insurtech estão se aquecendo na linha de partida, como a Next Insurance, com sede em Israel, que no ano passado levantou US$ 4 bilhões de investidores privados. A Next quer revolucionar o setor de seguros para pequenas empresas, que é relativamente menos competitivo, mas com um nível mais alto de complexidade de subscrição, o que pode tornar sua tecnologia mais impactante.

“Até certo ponto, a disrupção no setor de seguros ainda não começou”, diz Rand. “Algumas das empresas de insurtech existentes criaram exteriores e marcas brilhantes, juntamente com bons aplicativos e excelente serviço que reembolsa os segurados rapidamente, mas isso ainda não representa uma verdadeira mudança de paradigma.

“Uma mudança de paradigma no setor de seguros poderia ser, por exemplo, oferecer um produto de seguro unificado que abrangesse todos os aspectos da vida. Assim, não teríamos que comprar seguro de vida, seguro de carro e seguro residencial separadamente. seguro que seria atribuído automaticamente a uma apólice, sem precisar fornecer detalhes. São muitas as possibilidades.”

Quer uma dica?

A segunda turma do curso de Insurtech e Inovação em Seguros em 8 aulas vai começar no dia 16 de agosto. Saiba mais clicando aqui ou acessando https://cursos.insurtechbrasil.com

ARTIGOS SIMILARES

Advertisment

POPULARES