O que Big Tech pode fazer pelo seguro

Google, Amazon, Walmart… potências de tecnologia estão entrando no setor de seguros, para melhor ou para pior.

Que tecnologia será o combustível que alimenta a máquina da indústria de seguros é inevitável. E com inovações empolgantes em IA, dados e computação em nuvem, os sonhos de muitas seguradoras podem se tornar realidade. Já se foram os dias de depender de sistemas lentos e desajeitados e métodos baseados em papel. Em vez disso, as seguradoras de hoje podem construir, testar e executar linhas de produtos usando meios totalmente digitais, gerenciando fluxos de produtos ágeis e trazendo novas linhas ao mercado em tempo recorde.

Em 2022, as seguradoras devem continuar ajustando as operações, criando o modelo mais elegante e ágil possível para acompanhar os requisitos em constante mudança dos clientes atuais. Isso significa incorporar todos os recursos possíveis em um processo de subscrição sem problemas – e os dados trarão uma das melhorias mais radicais que o setor já viu.

Grandes players em dados darão uma mão

No mundo da previsão e do risco de precificação, quanto mais você souber, melhor. Os dados andam de mãos dadas com o conhecimento no setor de seguros, pois as seguradoras coletam quantidades maiores de informações mais precisas do que nunca, enquanto tentam criar a melhor cotação possível para seus clientes. Não é surpresa, portanto, que as empresas de dados tenham conquistado lenta mas seguramente influência no setor de seguros, fornecendo às operadoras insights atualizados para enriquecer sua oferta.

Prevê-se que pesos pesados ​​da tecnologia como Google, Apple e Amazon afetem a indústria com seus armazenamentos de dados aparentemente infinitos. Ainda assim, as seguradoras estão considerando exatamente onde e como farão isso. Eles simplesmente oferecerão recursos por um preço? Ou eles poderiam adotar formas simplistas de seguro para si mesmos, encenando um golpe? Embora possível, o último parece improvável; em vez disso, essas empresas estenderão seus serviços para trabalhar em segundo plano, aninhando-se nas empresas e fornecendo recursos de dados.

Isso permitirá que as seguradoras identifiquem e direcionem efetivamente os nichos de mercado, usando a riqueza de informações que coletam para destacar riscos novos e em evolução. É importante ressaltar que apenas ter informações brutas não será o que impulsionará as seguradoras a progredir – se as operadoras não puderem extrair facilmente os principais insights dos dados, o exercício pode ser infrutífero. Grandes e pequenas empresas de dados devem fornecer insights acionáveis, acessíveis por meio de interfaces amigáveis ​​e recursos clicáveis.

Uma revolução na distribuição de produtos

A big tech não tem apenas recursos para oferecer às seguradoras, mas também estratégias e habilidades de distribuição. A criatividade será o nome do jogo à medida que potências, como a Amazon, aplicam seus conceitos de recomendação aos seguros, como fizeram em muitos outros setores. Talvez veremos “recomendado para você” e “com base em suas compras anteriores” começando a apimentar as páginas de produtos em sites de seguros. A Amazon tem distribuição criativa até um T, tornando os produtos em várias verticais e indústrias extremamente fáceis de comprar. Quando você pode comprar tanto online em segundos – de roupas a carros e feriados – as seguradoras devem questionar por que não estão acompanhando outros mercados. Nesse sentido, a Big Tech ajudará muito, oferecendo disponibilidade constante e resultados instantâneos.

As recomendações fazem parte de uma influência maior que a Big Tech exerce sobre a população, pois oferece aos consumidores mais opções do que nunca. As grandes empresas influenciam não apenas o que os clientes compram, mas também como compram, qual dispositivo usam para comprá-lo, como pagar por ele e muito mais. Como resultado, os mercados estão mais competitivos do que nunca e os seguros não ficam muito atrás. Como resultado, as seguradoras devem expandir sua oferta em tecnologia, usando todos os recursos e táticas disponíveis que a Big Tech tem a oferecer. A indústria ainda não precisa esperar o “Seguro Amazon” (embora não devamos descartá-lo), mas as seguradoras com visão de futuro certamente aproveitarão as oportunidades que a Big Tech pode oferecer.

Quer uma dica?

A segunda turma do curso de Insurtech e Inovação em Seguros em 8 aulas vai começar no dia 16 de agosto. Saiba mais clicando aqui ou acessando https://cursos.insurtechbrasil.com

ARTIGOS SIMILARES

Advertisment

POPULARES