Home Blog Page 2

Custos de seguro cibernético se estabilizam em meio a ameaças crescentes

O custo do seguro cibernético está mostrando sinais de estabilização, um desenvolvimento promissor para as empresas que lidam com ameaças digitais, de acordo com um relatório recente da Howden, intermediária de seguros. Essa correção do mercado é um alívio bem-vindo após anos de prêmios em alta em meio a uma epidemia global de ransomware.

“A dinâmica favorável persistiu até 2024”, diz Sarah Neild, diretora de varejo cibernético da Howden no Reino Unido.

Medidas robustas de segurança cibernética reforçam a estabilidade

A instabilidade global, como a guerra da Ucrânia e os ataques cibernéticos impulsionados por IA, criou uma preocupação generalizada com a proteção contra ameaças. No entanto, Sarah atribui essa estabilidade recém-descoberta a medidas de segurança cibernética mais fortes em todo o setor privado.

“Em nenhum outro momento o mercado experimentou a atual combinação de condições: um cenário de ameaças elevado combinado com um mercado de seguros estável sustentado por controles de risco robustos”, explica Sarah. “As bases para um mercado cibernético maduro, com inovação e crescimento orientado pela exposição em seu núcleo, estão agora em vigor.”

Seguro cibernético e defesas aprimoradas

Essa estabilidade coincide com uma pesquisa recente da empresa de segurança cibernética Sophos, que destaca o papel do seguro na condução de uma melhor preparação. O estudo constatou que 76% das empresas aprimoraram suas medidas de segurança cibernética para se qualificarem para o seguro cibernético. Essa tendência mostra que os provedores de seguro estão incentivando efetivamente melhores práticas de segurança nas empresas.

Chester Wisniewski, diretor e CTO de campo global da Sophos, adverte que, embora o seguro cibernético seja benéfico, ele não é uma panaceia. “Um ataque cibernético pode ter impactos profundos em uma empresa, tanto do ponto de vista operacional quanto da reputação, e ter um seguro cibernético não muda isso”, alerta Chester.

Desafios e medidas proativas

Apesar das tendências positivas, os desafios permanecem. A Howden relata um aumento de 18% nos incidentes de ransomware em comparação com 2023. As violações notáveis incluem o fechamento de um hospital no Reino Unido, a interrupção das operações de um fornecedor de software para concessionárias de automóveis nos EUA e um ataque significativo a um fornecedor de serviços de saúde nos EUA que resultou em um pagamento de resgate de US$ 22 milhões.

No entanto, o estudo mostra que menos empresas estão pagando resgates, “em grande parte devido a controles de risco mais eficazes”. Além disso, 22% dos diretores de segurança da informação (CISOs) relatam usar a IA de geração para procurar novas ameaças, demonstrando uma abordagem proativa à segurança cibernética.

Expansão do mercado de seguro cibernético

O relatório também aponta para um mercado de seguro cibernético em expansão, agora incluindo pequenas e médias empresas (PMEs), como um motivo para a estabilização dos custos. No entanto, as preocupações com os riscos cibernéticos sistêmicos persistem, especialmente em relação a violações em fornecedores de software terceirizados populares usados por empresas menores.

Da mesma forma, embora os custos tenham se estabilizado, a pesquisa da Sophos destaca um possível desalinhamento entre a cobertura do seguro e os custos reais de recuperação. Apenas 1% dos entrevistados que fizeram uma reclamação relataram que seu seguro cobriu 100% dos custos incorridos durante a remediação.

Apesar desses desafios, a estabilização dos custos de seguro cibernético e o maior foco na segurança cibernética representam passos positivos em direção a um ecossistema digital mais resiliente. À medida que as empresas continuam a investir em suas defesas, tanto para se qualificarem para o seguro quanto para se protegerem, os criminosos cibernéticos podem ficar cada vez mais em desvantagem.

Qloo, apoiada pela AXA, levanta US$ 20 milhões

xr:d:DAFlRjY8kok:85,j:8464934873497454661,t:24022111

A Qloo, plataforma de IA cultural, anunciou um investimento de US$ 20 milhões da Bluestone Equity Partners, elevando seu financiamento total para US$ 77 milhões. Em fevereiro de 2024, a empresa já havia anunciado um financiamento da série C de US$ 25 milhões e o intuito de expandir para o setor de seguros.

Leia mais: Qloo garante US$ 25 milhões e espera expandir para o setor de seguros

Fundada há mais de uma década, os investidores da Qloo incluem a AI Ventures e a AXA Venture Partners, além de Elton John e Leonardo DiCaprio. A Qloo usa um banco de dados de mais de 575 milhões de pontos de contato, além de um segundo banco de dados de 10 trilhões de sinais de consumidores, para prever o sentimento e o gosto do consumidor.

Agora, a parceria atual pretende acelerar o lançamento da primeira plataforma de insights de autoatendimento da Qloo e apoiará sua expansão em setores verticais importantes, incluindo esportes, entretenimento e eventos ao vivo, de acordo com a empresa, que tem uma equipe de cerca de 40 pessoas.

A Bluestone Equity Partners foi fundada em 2023 por Bobby Sharma, um executivo esportivo que é ex-vice-presidente e conselheiro geral da Liga de Desenvolvimento da NBA, atualmente a G League. Ele também é ex-SVP, chefe global de basquete e iniciativas estratégicas da IMG, a empresa de esportes, moda e mídia de propriedade da Endeavor.

Por que os subscritores são importantes em nosso mundo movido pela IA

Dani Katz, cofundador e diretor da Optalitix, explora a evolução do papel dos subscritores à medida que a inovação em IA transforma processos e funções legados em todo o setor de seguros

O mercado de seguros de Londres prosperou com base em três coisas, desde 1600: informação ou, no jargão de hoje, dados, reuniões presenciais e café. Não mencionaremos o álcool, pois hoje em dia ele não cai bem no Lloyd’s, mas conversar enquanto tomamos uma xícara de chá permaneceu até recentemente tão importante como sempre.

Antes da pandemia, corretores e subscritores reuniam-se no Lloyd’s e no próspero mercado de seguros global que o rodeia para negociar e discutir acordos sobre riscos tão diversos como transporte marítimo, companhias aéreas, grandes propriedades e riscos cibernéticos.

Tudo mudou em 2020, quando a Covid acabou com essas reuniões presenciais. Posteriormente, houve um lento regresso ao ponto onde estávamos, mas na verdade não é a mesma coisa, e muitos corretores, feras sociais por natureza, queixam-se de não poderem encontrar-se pessoalmente com os subscritores.

Esta situação foi exacerbada pelo aumento da subscrição algorítmica, pelo aumento do poder dos atuários no mundo da precificação de seguros e por modelos complexos de precificação baseados em dados.

Transformação de preços

Na indústria de seguros, a transformação de preços envolve a tarefa complexa de criar processos de preços e subscrição que sejam competitivos e rentáveis, mas digitalizados, escaláveis ​​e preparados para o futuro. Isto requer a análise dos fluxos de trabalho de subscrição existentes, a compreensão dos modelos de precificação, as técnicas modernas de precificação, a previsão de tendências futuras e o cumprimento dos requisitos regulatórios.

No mundo atual, cada vez mais orientado pela IA, os subscritores têm agora à sua disposição uma série de novas ferramentas que podem otimizar estes processos em termos de velocidade e eficiência — por vezes conseguindo uma melhoria de três a quatro vezes. Ao mesmo tempo, de acordo com a Accenture, 40% do tempo dos subscritores é gasto em tarefas não essenciais e administrativas, criando entre 17 e 32 mil milhões de dólares em perdas anuais de eficiência de subscrição.

A boa notícia é que, segundo a PWC, 50% das seguradoras pretendem digitalizar as suas tabelas de preços, no entanto, isso requer uma abordagem estratégica à implementação da tecnologia, que funcione em conjunto com a experiência humana.

O futuro da subscrição: integração e discrição

Na nossa opinião, o futuro da subscrição de seguros reside na integração perfeita da tecnologia e da discrição humana. Um cenário ideal envolve que as submissões sejam ingeridas por uma ferramenta de submissão, processadas por meio de um mecanismo de precificação e apresentadas ao subscritor com todas as verificações e avaliações paralelas relevantes concluídas. Isto permite que os subscritores apliquem a sua experiência e discrição para avaliar os riscos que os modelos podem não capturar totalmente.

No entanto, a transparência e a compreensão no processo de modelagem são vitais. Para que os subscritores tomem decisões informadas, eles precisam de acesso e compreensão dos modelos utilizados no processo de classificação. Infelizmente, alguns mecanismos de modelagem recentes transformaram-se em “caixas pretas”, não oferecendo nenhuma visão sobre o seu funcionamento. Esta falta de transparência pode levar os subscritores a manterem os seus próprios modelos de notação, o que pode criar desafios de governação e consequências negativas a longo prazo.

O papel das pessoas na tomada de decisões

Não importa quão inteligente a tecnologia se torne, a experiência humana continua a ser uma parte crucial do processo de subscrição e precificação. No centro de todos os riscos subscritos está o subscritor; impor mudanças em grande escala sem considerar os fluxos de trabalho existentes pode causar perturbações internas significativas e até crises existenciais.

Por que isso? Tanto os atuários como os subscritores possuem conhecimento e experiência de domínio insubstituíveis que os algoritmos simplesmente não conseguem replicar, o que é essencial para contextualizar os dados e tomar decisões informadas. Por exemplo, sempre serão necessárias pessoas para:

Considerações éticas: O julgamento humano é necessário para garantir que as estratégias de preços sejam justas e éticas, considerando fatores que podem não ser capturados apenas pelos dados.
Colaboração: A transformação eficaz de preços requer contribuições de vários departamentos, incluindo gestão de riscos, finanças e vendas. A colaboração garante que todas as perspectivas sejam consideradas.
Gestão de mudanças: a implementação de novas estratégias de preços geralmente envolve mudanças organizacionais significativas. Os líderes devem orientar as suas equipas durante esta transição, garantindo a adesão e a adoção de novas práticas.

Recomendamos uma abordagem co-piloto

É por isso que acreditamos que a solução ideal é aquela em que a tecnologia e as pessoas trabalham de mãos dadas — uma abordagem conhecida como “tomada de decisão co-piloto”. Na transformação de preços, isso envolve o uso de ferramentas avançadas para aumentar a tomada de decisão humana, em vez de substituí-la, tais como:

Sistemas de apoio à decisão: Estes sistemas utilizam análise de dados e IA para fornecer recomendações, que são depois avaliadas e ajustadas por especialistas humanos.
Painéis interativos: as ferramentas de business intelligence oferecem painéis interativos que permitem aos usuários explorar dados, testar cenários e visualizar resultados potenciais.
Aprendizado contínuo: À medida que os profissionais utilizam essas ferramentas, eles fornecem feedback que pode ser usado para refinar algoritmos e melhorar a precisão do sistema ao longo do tempo.

É claro que, como parte disso, é importante implementar sistemas que as equipes de subscrição ou de precificação compreendam. Lembre-se de que as pessoas sempre vêm em primeiro lugar e a linguagem de programação de precificação deve ser projetada para se adequar aos seus métodos de operação, como:

Plataformas de preços integradas: plataformas de preços especializadas oferecem soluções ponta a ponta para transformação de preços. Essas plataformas integram dados de diversas fontes, aplicam análises avançadas e fornecem interfaces fáceis de usar para usuários corporativos.
Análise avançada e IA: aproveitar a análise avançada e a inteligência artificial pode aumentar a precisão e a eficácia das estratégias de preços. Algoritmos de aprendizado de máquina podem identificar padrões, prever tendências de mercado e sugerir modelos de preços ideais.
Ferramentas de Business Intelligence: Ferramentas como Tableau e Power BI fornecem recursos robustos de visualização de dados, permitindo que as partes interessadas obtenham insights dos dados rapidamente e tomem decisões informadas.
Colaboração e gerenciamento de fluxo de trabalho: a transformação eficaz de preços requer colaboração entre departamentos. As ferramentas de gerenciamento de fluxo de trabalho garantem que todas as partes interessadas estejam alinhadas e possam contribuir perfeitamente para o processo de tomada de decisão.

O caminho para o sucesso

Embora a revolução da IA ​​apresente imensas oportunidades para a indústria dos seguros, a chave do sucesso reside na capacitação dos subscritores, na manutenção da transparência e da flexibilidade e em manter as pessoas no centro do processo de tomada de decisão.

Citando o presidente do Lloyd’s, John Neal, em nosso recente evento na Biblioteca Lloyd’s: “O ‘molho secreto’ por trás do incrível sucesso do Lloyd’s é a importância de fazer negócios cara a cara”.

Além disso, como atestaria Edward Lloyd, é vital acompanhar os tempos, mas também é importante compreender o poder das relações humanas nos negócios. Nem sempre se trata de números concretos. Às vezes, é importante lembrar os fatores mais suaves, como relacionamentos de longo prazo com os clientes e lealdade a um subscritor, ao fechar um negócio. A IA é boa, mas vai demorar um pouco até que isso resolva.

Acredito que a tomada de decisões co-piloto, onde a tecnologia aumenta a experiência humana, é a chave para uma transformação de preços bem-sucedida. Ao aproveitar os pontos fortes da tecnologia e do conhecimento humano, as organizações podem desenvolver estratégias de preços robustas e eficazes que impulsionam os resultados financeiros.

Sobre o autor: Como cofundador e diretor da Optalitix Ltd, Dani Katz tem mais de 20 anos de experiência para ajudar as seguradoras a inovar em preços e subscrição. Com uma combinação única de habilidades estatísticas, de marketing, tecnologia e atuariais, ele desenvolve ferramentas baseadas em nuvem que melhoram a aquisição e retenção de clientes, ao mesmo tempo que melhoram os perfis de risco. Membro do Institute of Actuaries, ele também presta consultoria sobre precificação, subscrição e resseguro.

Principais rodadas de financiamento de insurtechs de junho de 2024

Houve cerca de 40 eventos de financiamento no setor de insurtech entre 1º e 30 de junho de 2024, de acordo com uma análise da Digital Insurance. A seguir, apresentamos uma seleção desses eventos, com foco naqueles dos setores de insurtech e de propriedades e acidentes que fazem parte do modelo de financiamento de capital de risco. (Outros eventos de financiamento, como infusões de capital privado, estão incluídos na contagem geral).

Uma parte dos dados foi obtida do Crunchbase. Outras informações, inclusive citações de VCs investidores, são provenientes de anúncios de empresas. Para ver a edição anterior, que cobriu o mês de maio, clique aqui. Essas atualizações continuarão sendo feitas mensalmente.

Sixfold AI

US$ 15.000.000,00, Série A, 5 de junho
Tipo de empresa: Insurtech que aplica IA à subscrição
Investidores: Salesforce Ventures, Scale Venture Partners, Bessemer Venture Partners, Crystal Venture Partners

“Com esses recursos adicionais, a Sixfold expandirá nossa já excepcional equipe de engenheiros para aprimorar ainda mais nossos produtos e acelerar nossos esforços de P&D”, disse Alex Schmelkin, cofundador e CEO, em um post no site da empresa. “No lado dos negócios e operações, ampliaremos nossas ofertas e aumentaremos nossa presença além da América do Norte, no Reino Unido e na União Europeia.”

Leia mais: Insurtech Sixfold levanta US$ 15 milhões em rodada série A

Understory

US$ 15.000.000,00, Série A, 5 de junho
Tipo de empresa: Produtos de seguro com base em seu modelo de risco e rede global de sensores meteorológicos
Investidores: True Ventures, Prelude Ventures, Gener8tor, Bolt, Revolution’s Rise of the Rest Seed Fund, Bradley Horowitz, 4490 Ventures

“A expansão de uma startup com foco em tecnologia para uma figura de destaque no mercado de seguros exemplifica nossa capacidade de dimensionar soluções que abordam problemas do mundo real”, disse Alex Kubicek, cofundador e CEO da Understory, em um comunicado à imprensa. “Nosso mais recente empreendimento em seguros de energia renovável reforça nosso compromisso com a rearquitetura de estruturas de seguros que apoiam o crescimento sustentável do setor e, ao mesmo tempo, mitigam os riscos ambientais.”

Leia mais: Understory levanta US$ 15 milhões em rodada da série A

Porch Financial

US$ 7.999.997,00, Venture — Série desconhecida, 5 de junho
Tipo de empresa: Soluções de software para empresas de seguro de vida

LogRock

US$ 4.999.994,00, Venture — série desconhecida, 10 de junho
Tipo de empresa: Plataforma única para comparação de seguros de caminhões
Investidores: Better Tomorrow Ventures, Dynamo, 9Yards Capital, QED

QuantivRisk

US$ 952.000,00, semente, 14 de junho
Tipo de empresa: Analista de acidentes automobilísticos usando dados de veículos

Leia mais: QuantivRisk levanta US$ 925 mil

Plataforma de resseguros Supercede levanta US$ 15 milhões em rodada da série A

A plataforma digital de resseguros Supercede levantou US$ 15 milhões em financiamento da Série A liderado pela Alven, com participação da Mundi Ventures, Outward, Seedcamp, MMC Ventures e AFG Partners.

Fundada em 2019, a startup sediada em Londres busca melhorar o processo de resseguro. A plataforma Supercede apresenta uma variedade de ferramentas digitais para cedentes, corretores e resseguradores, para que possam compartilhar dados e estruturar negócios com mais eficiência. A startup afirma que sua plataforma atende a mais de 140 empresas em todo o mundo.

“Garantir esse financiamento é uma prova do poder transformador de nossa plataforma. Não estamos apenas construindo uma empresa; estamos moldando o futuro do resseguro. Esse investimento acelera nossa capacidade de oferecer valor inigualável a nossos clientes e nos aproxima de nossa meta de nos tornarmos o sistema operacional indispensável para o mercado global de resseguros”, disse Jerad Leigh, CEO da Supercede.

“A impressionante trajetória de crescimento da Supercede é possibilitada pela combinação certa de inovação e conhecimento de domínio/setor, a razão pela qual essa equipe muito especial tem uma vantagem nesse setor. É exatamente o que procuramos em um líder de mercado. Acreditamos em sua visão e estamos entusiasmados em apoiar sua jornada para se tornar a força dominante no setor de tecnologia de resseguros”, disse Margaux Gregoir, diretora da Alven Capital.

Seguro de empréstimo digital integrado: Emprestadores e consumidores

No clima econômico incerto de hoje, cerca de oito em cada dez mutuários estão preocupados com a inadimplência de seus empréstimos.

“As pessoas não costumam procurar empréstimos porque querem um empréstimo; elas geralmente precisam cobrir uma despesa inesperada ou comprar um grande bem, como um veículo”, diz Danielle Sesko, diretora de gerenciamento de produtos da TruStage.

“O seguro de empréstimo digital oferece aos credores digitais um tipo de rede de segurança que ajuda a protegê-los em caso de dificuldades financeiras imprevistas. Ao integrar perfeitamente o seguro ao processo de empréstimo, sem impor atrito ou complexidade adicional, os mutuários podem desfrutar de tranquilidade sem se sentirem pressionados a adquirir produtos auxiliares.”

Essa abordagem garante que o seguro seja visto como uma solução valiosa alinhada com as principais metas financeiras dos consumidores, melhorando a experiência geral do mutuário.

“Os credores, por outro lado, normalmente se beneficiam de uma estratégia de seguro digital integrada, pois ela ajuda a reduzir o risco de inadimplência e a melhorar a satisfação do cliente. Em um mercado de empréstimos cada vez mais competitivo, oferecer um seguro que ajude a proteger os mutuários contra a inadimplência devido a circunstâncias imprevistas ajuda os credores a diferenciar seus serviços e atrair mais consumidores.”

Danielle Sesko, diretora de gerenciamento de produtos e inovação da TruStage

Ao demonstrar um compromisso claro com o bem-estar financeiro de seus mutuários, os credores promovem a fidelidade e a confiança do cliente a longo prazo.

“Ao atender às necessidades tanto dos consumidores digitais quanto dos credores, uma estratégia integrada de seguro para empréstimos digitais pode proporcionar segurança financeira e fortalecer o relacionamento entre tomadores e credores. Ela permite o alinhamento das principais metas financeiras dos clientes e, ao mesmo tempo, ajuda os credores a atingir suas metas comerciais, resultando, em última análise, em um ecossistema de empréstimos mais resiliente.”

Desafios de implementação de uma estratégia de seguro de empréstimo digital incorporado

“Muitos produtos de seguro para empréstimos que conhecemos hoje foram desenvolvidos antes da era da Internet e não foram criados para complementar experiências totalmente digitais de ponta a ponta. Como resultado, a implementação de uma estratégia de seguro de empréstimo digital incorporada nas plataformas digitais existentes apresenta desafios inerentes em termos de integrações de tecnologia e garantia de uma experiência tranquila para o consumidor”, diz Danielle.

“Um dos principais desafios é entender quais são esses pontos problemáticos e projetar uma estratégia de forma a aliviá-los. E um desses principais pontos problemáticos está centrado na escolha, na necessidade de os consumidores escolherem ativamente produtos de seguro auxiliares ao solicitarem empréstimos.”

Essa escolha pode introduzir atrito no processo de empréstimo e pode dissuadir alguns consumidores de optar pela cobertura de seguro.

“Para ajudar a superar esse desafio, é essencial projetar a estratégia de seguro de empréstimo digital de forma a eliminar a necessidade de os consumidores tomarem uma decisão separada. Em vez disso, o produto de seguro deve ser incluído automaticamente como um componente do próprio empréstimo, perfeitamente integrado ao processo de empréstimo.”

Vantagem comparativa

“Ao contrário dos modelos tradicionais, em que o seguro é frequentemente vendido como um produto complementar auxiliar, principalmente para gerar receita de taxas por meio de comissões, uma estratégia de seguro de empréstimo digital incorporada oferece benefícios comerciais tangíveis que vão além da mera geração de receita”, diz Daniele.

Ao integrar perfeitamente o seguro ao processo de empréstimo, essa estratégia pode levar ao aumento da eficiência do marketing e à redução dos custos de aquisição de clientes para os credores.

“Uma estratégia de seguro para empréstimos digitais ajuda a apoiar uma redução na inadimplência dos empréstimos. Os produtos de seguro integrados a essa estratégia funcionam como soluções de proteção de portfólio, protegendo contra causas comuns de inadimplência. Ao mitigar o risco de inadimplência em vários empréstimos de uma carteira, os credores podem melhorar o desempenho de longo prazo e a sustentabilidade de seus negócios. Do ponto de vista do consumidor, uma estratégia de seguro de empréstimo digital incorporada pode proporcionar níveis mais altos de acesso a fundos devido à proteção incorporada contra possíveis inadimplências.”

“Ao incorporar a proteção de pagamento de empréstimos como parte do próprio produto de empréstimo (em comparação com a entrega de um produto de seguro por meio de APIs), tanto os credores quanto os tomadores de empréstimos podem ser protegidos automaticamente — e sem problemas — em caso de perda involuntária de emprego ou invalidez coberta.”

Essa abordagem garante que a proteção seja uma parte inerente do contrato de empréstimo, tornando o processo mais suave e eficiente, sem exigir etapas ou decisões adicionais do mutuário.

Como vender seguros para a geração TikTok

Meeri Savolainen*, fundadora e CEO da INZMO, nos dá sua opinião sobre como atrair uma base de clientes mais jovens e preencher as lacunas de proteção da próxima geração.

É difícil abrir uma seção de negócios de qualquer jornal respeitável sem ver um artigo sobre como um setor ou outro está se ajustando (muitas vezes com graus variados de sucesso) para cortejar e atender à Geração Z à medida que seus membros chegam ao mercado em massa.

Com a geração do milênio avançando cada vez mais para a meia-idade e os membros mais velhos da Geração Z agora com vinte e poucos anos, a dissociação da primeira com a juventude aparentemente pegou alguns setores desprevenidos. Como todas as gerações, a Geração Z é diferente de seus antecessores em suas preferências e percepções, mas parece ser excepcionalmente difícil de capturar ou mesmo caracterizar como um mercado.

As seguradoras também estão enfrentando esse dilema. Os jovens não estão comprando o que as seguradoras estão vendendo no momento e, em geral, consideram as ofertas tradicionais de seguros irrelevantes para suas necessidades. Como foram criados na Internet, as táticas de marketing antiquadas caem por terra para eles instantaneamente, e há uma expectativa básica de experiências digitais personalizadas e sem atritos. As seguradoras precisam vender isso se quiserem se esforçar para atender à Geração Z.

Abraçando o tédio: por que a honestidade vence

Em sua aparência, o seguro é chato. Nada no produto de seguro tem um fator surpreendente. O seguro geralmente se comercializa e quase sempre é vendido com base no princípio um tanto antiquado e orientado para a segurança da paz de espírito. Isso não é uma coisa ruim e não deve ser ignorado em algum esforço para tornar o seguro mais sexy do que ele é.

A Geração Z tem um faro apurado para a inautenticidade, mas também seria errado dizer que eles são alérgicos a conteúdo ou ativações patrocinadas. Eles apreciam a honestidade e a sinceridade e não acreditam necessariamente que as duas coisas não possam coexistir.

As seguradoras podem e devem se diferenciar sendo francas sobre o fato de o seguro não ser sexual, digamos assim. Há um elemento de autoconsciência aqui que parece sincero e que, na verdade, é propício para esforços de marketing baseados no humor. A Geração Z pode e vai assistir a um TikTok feito por uma conta que eles gostem e que se incline para isso. Esse tipo de marketing pode ser sincero, sem ser condescendente, e engraçado, sem ser enjoativo. E como a Geração Z é alcançada quase que exclusivamente pela Internet, seu marketing precisa se destacar pela sinceridade – não apenas em relação a outras empresas do seu setor, mas em relação a todo o conteúdo que chega ao feed deles.

Com qualquer tipo de marketing e qualquer tipo de público, quanto menos o seu público sentir que você está se esforçando demais para convencê-lo de algo, maior será a probabilidade de ele realmente ouvir a sua mensagem. Isso é duplamente verdadeiro para a Geração Z, que já é mais desconfiada do que as outras gerações em relação a empresas, publicidade e autoridade em geral.

Criando confiança com a Geração Z

O sucesso com a Geração Z depende do reconhecimento das realidades de sua situação. Essa geração usa serviços bancários e de pagamento digitais com facilidade e espera que os provedores de seguros ofereçam recursos financeiros móveis. Se o seu marketing atrair a Geração Z para a sua plataforma, o nível de digitalização e personalização das suas ferramentas os manterá lá. A facilidade de uso é a norma para a Geração Z, e precisa ser a norma para seus seguros.

Além disso, reconhecer que a Geração Z está em uma situação financeira difícil — ganhando menos, assumindo mais dívidas e lutando contra a inflação, de acordo com a CNN — e projetar produtos com esses obstáculos em mente é crucial para criar e manter a confiança. A Geração Z está gastando mais com aluguel do que os Millennials e enfrentando dificuldades semelhantes com empréstimos estudantis. Tudo isso fez com que a estabilidade e a segurança se tornassem uma prioridade para eles, especialmente a estabilidade financeira. O seguro é, em sua essência, segurança como produto. Você constrói confiança com a Geração Z provando, por meio de seu marketing e de seus produtos, que entende como é a vida deles.

Projetar produtos para os nativos digitais que estejam de acordo com seus valores

Tudo, desde taxas fixas até descontos por indicação de amigos e seguro de aluguel projetado para locatários mais jovens, pode ter um efeito real. Os pacotes para proprietários de imóveis residenciais são irrelevantes. No entanto, microcoberturas facilmente ajustáveis para apartamentos e eletrônicos são extremamente relevantes.

As seguradoras não precisam se afastar do apelo central de oferecer segurança. Elas só precisam ser práticas e sinceras em relação a isso. Ser engraçado também ajuda. Não fale com eles como se fossem estúpidos só porque são inexperientes no mundo dos seguros. Na verdade, a inexperiência deles os torna mais cautelosos como adotantes e mais difíceis de convencer.

A geração Z não é avessa à segurança e, definitivamente, não é avessa a seguros. No entanto, eles devem ser comercializados de forma correta e inteligente, e esse marketing deve ser sincero e expressar por que é útil ter um seguro em primeiro lugar. As ofertas direcionadas não podem vir depois. Trata-se de um pacote de negócios. Parte disso se resume a “tratar a Geração Z como a geração inteligente e individual que ela é”, o que é uma estratégia incrivelmente simples, mas que o setor de seguros em geral está lutando para entender.

As velhas formas de marketing e os produtos vendidos a seus pais e avós não serão mais suficientes. Isso não é motivo para alarme. É apenas um bom motivo para mudar.

*Meeri Savolainen é fundadora e CEO da INZMO, insurtech de Berlim especializada em soluções de seguro incorporado nos setores de eletrônicos de consumo, imóveis, mobilidade e automotivo.

Feather levanta 6 milhões de euros para desenvolver seguro pan-europeu para expatriados

A Feather, uma startup focada em fornecer soluções de seguro digital para expatriados na Europa, garantiu 6 milhões de euros em uma rodada de financiamento liderada pela Keen Venture Partners. Outros investidores incluem a Plural e líderes do setor da Allianz, AXA e Bastian.

Entre os investidores proeminentes da última rodada estão o fundador da Monzo, Tom Blomfield, Matt Robinson, da GoCardless e da Nested, o CTO da N26, Gino Cordt, e o fundador da Oyster, Tony Jamous.

O novo capital permitirá que a Feather continue sua expansão pela Europa, com o objetivo de desenvolver um produto de seguro pan-europeu abrangente que permita que os expatriados ajustem sua cobertura sem problemas à medida que se deslocam entre os países.

De acordo com os relatórios, a Feather se manteve em uma situação de bootstrapping por dois anos antes de sua primeira rodada de financiamento em 2021, e já levantou um total de € 10 milhões. A empresa tem uma base de clientes que abrange mais de 150 países com seguros digitais seguros. Atualmente, a Feather opera na Alemanha, França e Espanha, com planos de expansão para mais três países até o final de 2024. O recente lançamento na Espanha mostrou um crescimento significativo, superando o progresso inicial da empresa na Alemanha.

Seguro digital para os expatriados da Europa

A Feather é especializada em fornecer seguros para expatriados na Europa, oferecendo uma plataforma digital projetada para suas necessidades exclusivas. As opções tradicionais de seguro tendem a ser complicadas, fragmentadas e não são facilmente adaptáveis a diferentes países, o que as torna inadequadas para um estilo de vida móvel. A plataforma da Feather oferece consultoria imparcial, processos diretos de sinistros, políticas transparentes e planos personalizáveis, atendendo a expatriados que se mudam frequentemente a trabalho e precisam de soluções flexíveis de seguro.

Lançada em 2018 por Rob Schumacher e Vincent Audoire durante seu tempo na coorte de Berlim do Entrepreneur First, a Feather nasceu das próprias dificuldades dos fundadores com o sistema de seguros da Alemanha. A plataforma de tecnologia da empresa combina a agilidade de uma startup de tecnologia com a confiabilidade de seguradoras estabelecidas, garantindo a conformidade regulatória e gerenciando todos os aspectos do processo de seguro online. Isso resulta em custos mais baixos, maior capacidade de resposta e uma melhor experiência do usuário, apoiada por classificações de 4,9 estrelas no TrustPilot e no Google.

Rob Schumacher, cofundador da Feather, disse: “Nossa missão sempre foi clara: construir uma plataforma de seguros que não apenas atenda às necessidades dos expatriados de hoje, mas que o faça com transparência, simplicidade e confiança. Esse financiamento representa um voto de confiança em nossa visão e em nossa tecnologia, e estamos entusiasmados com as oportunidades que ele nos abre para atender ainda melhor a comunidade de expatriados em toda a Europa.”

Taavet Hinrikus, sócio da Plural, também comentou, dizendo: “Com um foco de laser nas necessidades dos expatriados e uma plataforma de tecnologia de primeira classe, a Feather está quebrando o complexo e regulamentado setor de seguros com um fundador excepcional e adequação ao mercado. Há muitos paralelos com o crescimento e a trajetória da Wise, e o sucesso inicial da Feather é um sinal claro do que está por vir. É empolgante ver os primeiros sinais reais de tração internacional que vamos desenvolver nos próximos anos.”

Abdul Afridi, da Keen, acrescentou: “A abordagem da Feather em relação à insurtech se destaca em um mercado lotado. Sua experiência como expatriado repercutiu em mim, mas o que me convenceu do caso de investimento foi a tecnologia robusta e o caminho claro para a escalabilidade que Rob e Vincent construíram. Acreditamos na visão da Feather de um produto de seguro genuinamente pan-europeu e estamos entusiasmados em apoiá-los na realização dessa missão.”

Wefox deve substituir CEO em meio à turbulência financeira

A Wefox, startup alemã de seguros, deverá substituir o CEO Mark Hartigan, de acordo com um relatório da Bloomberg, após a rejeição pelo conselho de uma proposta de seu maior acionista, a Mubadala, de vender a empresa para a corretora de seguros britânica Ardonagh. Hartigan, que assumiu o cargo em março, será substituído até o final do ano.

No mês passado, Hartigan enviou um memorando aos acionistas destacando o potencial de insolvência, a menos que a Wefox conseguisse vender vários ativos.

Um relatório do Financial Times também afirmou que a startup europeia de seguros, que já foi altamente valorizada e levantou a maior rodada de financiamento do mundo para uma insurtech (US$ 650 milhões), está perto da insolvência, e o fundo está trabalhando para salvar seu investimento na empresa com sede em Berlim, que enfrentou desafios significativos nos últimos anos.

O conselho aprovou um contrato de empréstimo conversível no valor de aproximadamente US$ 27 milhões dos investidores Chrysalis Investments e Target Global e está buscando financiamento adicional. A Wefox também está em negociações para vender a seguradora de bicicletas elétricas Assona, com o objetivo de arrecadar pelo menos 50 milhões de euros com a venda.

Após sua substituição em março, o ex-CEO Julian Teicke expressou sua convicção de que a mudança permitiria que ele continuasse a fornecer orientação estratégica para a Wefox, ao mesmo tempo em que dedicaria mais tempo a cultivar empreendimentos emergentes em vários setores. Teicke, que fundou a Wefox há quase nove anos, passou a ocupar o cargo de presidente do conselho.

Ele divulgou uma declaração dizendo: “A mudança é uma parte fundamental dos negócios e do sucesso, e essa etapa é a etapa certa para a Wefox e para mim pessoalmente. Isso me permite maximizar meu impacto na Wefox e, ao mesmo tempo, concentrar mais tempo e energia em minha outra grande paixão: apoiar os fundadores na construção de seus próprios empreendimentos e dar a eles a audácia de sonhar alto para construir empreendimentos líderes do setor. Estou ansioso pelo próximo capítulo da Wefox e passo a braçadeira de capitão para Mark [Hartigan].”

Hartigan já ocupou vários cargos de liderança, incluindo o de CEO da LV= e o de Diretor de Operações para a Europa, Oriente Médio e África no Zurich Insurance Group. Ele também atuou como CEO da Zurich Global Life nas regiões da Ásia-Pacífico e do Oriente Médio, onde liderou com sucesso as operações comerciais regionais na Europa.

Leia o que já publicamos sobre a wefox:
Mubadala luta para salvar investimento na wefox
wefox alerta acionistas sobre insolvência
wefox tem outro ano negativo
Julian Teicke deixa cargo de CEO da wefox
Seguradora digital wefox lança negócio de afinidade global

Sidecar Health levanta US$ 165 milhões em rodada Série D

A empresa de seguros de saúde Sidecar Health fechou um financiamento de US$ 165 milhões em uma rodada Série D. A rodada, que representa o maior investimento privado em benefícios de saúde para empregadores deste ano, foi liderada pela Koch Disruptive Technologies. Eles foram acompanhados por investidores novos e existentes, incluindo GreatPoint Ventures, BOND, Cathay Innovation, Drive Capital, Duke University, Menlo Ventures e Morpheus.

“Os custos de saúde dos EUA estão subindo para US$ 5 trilhões por ano, mas nossas experiências e resultados médicos não estão melhorando. O antiquado sistema de seguro de saúde dos EUA é um dos principais culpados pela criação de gargalos e obstáculos ao atendimento de qualidade. A Sidecar Health está transformando o sistema com um modelo que oferece uma abordagem inédita de mercado livre para a assistência médica, que coloca o consumidor, e não a seguradora, no controle de suas decisões de atendimento com ferramentas e transparência nunca antes vistas, aliadas a menos restrições. Estamos ansiosos para trabalhar com a Sidecar Health para acelerar a expansão comercial em 2024 e nos anos seguintes”, disse David Mauney, diretor-administrativo da Koch Disruptive Technologies.

“Como o primeiro investidor institucional da Sidecar Health, apoiamos profundamente a forma como a empresa reformulou fundamentalmente o seguro de saúde. A Sidecar Health representa a inovação estrutural mais importante em décadas no maior setor da América. Eles desenvolveram a única solução que já vimos para tornar o atendimento mais acessível em um setor responsável por quase 70% de todas as falências pessoais nos EUA. Também estamos extremamente orgulhosos de ter trazido um importante fundo de pensão de funcionários públicos — e um dos maiores compradores de seguro de saúde fora do governo federal — para a mesa com um investimento significativo na Sidecar Health por meio da GreatPoint. Isso demonstra o amplo apoio à missão da empresa e o impacto do modelo da Sidecar Health”, disse Andrew Perlman, diretor-administrativo da GreatPoint Ventures.

“A Sidecar Health capacita os consumidores a tomar decisões informadas sobre seus gastos com saúde. Sua flexibilidade, combinada com o conhecimento antecipado dos custos e a liberdade de escolher qualquer prestador licenciado, permite que nossos funcionários escolham prestadores de serviços de saúde de forma semelhante a como decidiriam comprar qualquer outro serviço ou item pessoal. Essa transparência e o controle sobre os custos nos permitem manter uma cobertura acessível e, ao mesmo tempo, nos beneficiar das possíveis economias obtidas com escolhas informadas”, disse Kendy Troiano, Diretor de Recursos Humanos da Clark Grave Vault, um cliente da Sidecar Health.